quarta-feira, 29 de maio de 2013

Dica de Saúde: Manteiga e Margarina?

Entre a manteiga e a margarina, você já parou pra pensar qual é a opção mais nutritiva?

Embora sejam tradicionais e favoritas nas mesas brasileiras, ambas têm o seu lado de vilãs. Vou explicar:


A manteiga é de origem animal e feita da nata de leite batida. Mas ela contem muito mais que isso: segundo Bruna Murta, nutricionista da rede Mundo Verde, a sua composição inclui o ácido burítico (bom para a saúde metabólica e intestinal, além de prevenir o câncer), vitamina A (antioxidante e facilitadora da digestão das proteínas) e ainda ajuda a prevenir a artrite e osteoporose, além de doenças na tiroide e outras.
Também é preciso prestar atenção porque, como a maioria dos produtos industrializados, estão colocando aditivos que não são nada legais. Por isso, é sempre bom olhar os ingredientes.

Além disso, “a manteiga é rica em gordura saturada. Embora seja metabolizada pelo organismo mais facilmente, se consumida em excesso, aumenta o risco de doenças cardiovasculares e contribui para a inflamação do organismo”, afirma Natália Colombo, nutricionista da NCNutre – Nutrição Funcional Individualizada. Por isso, deve ser consumida com moderação: três vezes por semana, passando apenas a ponta da faca com manteiga no pão.

Já a margarina é de origem vegetal. Ela é resultado de um processo chamado hidrogenação, onde as moléculas de hidrogênio são incorporadas às de gordura de maneira artificial, em altas temperaturas. É o calor que transforma a gordura insaturada em parcialmente saturada. Também durante a hidrogenação, as moléculas de gordura viram gordura trans (nociva, pois tal gordura, é quase igual ao plástico) e saturadas.
Talvez seja por isso que ninguém vê as margarinas estragarem...

Segundo as especialistas, a margarina não contém nenhum nutriente. “Devido à sua estrutura, não é reconhecida pelo corpo como alimento”, observa Bruna Murta. Ela ainda explica que as temíveis gorduras trans ativam reações inflamatórias, bloqueiam substâncias vasodilatadoras, levando ao aumento da pressão arterial, prejudicam o sistema imunológico e aumentam o risco de câncer.

Esclarecidas as diferenças, aposto que você vai pensar melhor antes de consumi-las. Mas e aí? Temo alguma alternativa?

Na verdade, o pãozinho nosso de cada dia pode ganhar acompanhamentos muito mais saudáveis e saborosos do que a manteiga e a margarina.

Uma alternativa caseira bem saudável é a manteiga de oleaginosas, feita com castanhas como amêndoas, avelãs ou nozes. O preparo é fácil: basta tostar as castanhas e passá-las num processador até obter uma pasta. A partir daí, vale a criatividade para diversificar os sabores, adicionando mel, cacau em pó ou baunilha, entre outros produtos.

Outra dica é fazer a manteiga de azeite de oliva extra virgem, incluindo as ervas e os condimentos que preferir.  Este azeite previne doenças cardiovasculares ao diminuir o chamado colesterol ruim e aumentar o colesterol bom. “Além disso, é anti-inflamatório, previne alguns tipos de câncer, ajuda a reduzir a gordura visceral e melhora a saúde da pele, entre outros benefícios”, afirma a nutricionista Natália Colombo.

Para quem não quer mudar radicalmente, a nutricionista sugere a “manteiga melhorada”, uma mistura da manteiga tradicional com a mesma quantidade de azeite de oliva extra virgem. “Assim, é possível diminuir os impactos negativos de um produto e agregar os pontos positivos do outro. E quando você acrescenta ervas, adiciona os benefícios delas também”.

No caso dos azeites, Colombo reforça que o ideal é usar os do tipo extra virgem com acidez máxima de 0,5% a 0,8%, acondicionados em vidros escuros, pois preservam mais a qualidade.

Pastas de grão de bico (húmus), de tofu e de soja também são opções saudáveis para acompanhar pães frescos, torradas e bolachas, sugere Murta. Já no preparo de bolos, doces e tortas, a nutricionista recomenda usar óleos vegetais, como os de canola, girassol ou coco, inclusive para untar as formas, pois eles apresentam benefícios semelhantes aos do azeite. A substituição deve ser feita na mesma proporção da receita original.

As especialistas lembram que estas trocas favorecem a saúde, mas não têm efeito para quem quer perder peso, uma vez que os produtos substitutos apresentam praticamente a mesma quantidade de calorias da manteiga ou da margarina. Para se ter uma ideia, uma colher de chá de margarina tem 40 calorias.

Vou listar abaixo, as receitas dessas alternativas:
 

PASTA DE SOJA

Ingredientes
2 xícaras de grãos de soja cozidos em água e sal,
1 copo de água do cozimento, ervas variadas.

Modo de Fazer
A soja deve ser deixada de molho por 12 horas.
Depois,  os grãos devem ser cozidos em água e sal por 40 minutos.
Em seguida, retire com uma colher a espuma que se formar na superfície.
Por último, bata no liquidificador com um copo da água do cozimento e as ervas de sua escolha.

Sugestões de tempero: hortelã fresco, alecrim, orégano, gengibre, noz moscada, sementes de cominho;  salsinha crespa fresca com alho poró;  curry e alho em pó.

Validade: pode ser armazenada por três a cinco dias na geladeira.

MANTEIGA MELHORADA

Ingredientes
1 xícara de manteiga (deixe fora da geladeira para amolecer)
1 xícara de azeite de oliva extra virgem
Ervas a gosto: sálvia, orégano, alecrim e louro, entre outras de sua preferência.

Modo de Fazer
Bata todos os ingredientes ao processador.
Quando ficar na consistência de pasta, leve à geladeira até endurecer.
Consuma com moderação.

Validade: até 90 dias se mantida na geladeira.

Receita da Natália Colombo

MANTEIGA DE AZEITE

Ingredientes
2 xícaras de azeite de oliva extra virgem
Ervas a gosto: sálvia, orégano, alecrim e louro, entre outras de sua preferência
Opcional: pimenta em grão (verde ou rosa) ou alho triturado

Modo de Fazer
Misture todos os ingredientes ou bata tudo no liquidificador.
Leve à geladeira até endurecer.

Validade: se colocar ervas, pode ser consumida em até 30 dias. Se mantiver apenas o azeite, dura até 60 dias.
Receita da Natália Colombo

PASTA DE TOFU

Ingredientes
1 xícara de tofu
1 xícara de manjericão bem picado
1 colher de café de curry
1/2 colher de sobremesa de sal marinho
5 colheres de sopa de azeite de oliva

Modo de Fazer
Amasse bem o tofu com um garfo, acrescentando azeite.
Adicione o sal marinho, o manjericão e o curry, até obter uma pastabem homogênea.
Mantenha-a na geladeira, com um pouco de azeite de oliva por cima.

Validade: três a cinco dias na geladeira.
Receita da Mundo Verde

PASTA DE GRÃO DE BICO

Ingredientes
2 copos de grão de bico cozido com sal e descascado
2 dentes de alho
3 colher de sopa de aAzeite
2 colher de sopa de tahine
suco de 1 limão

Modo de Fazer
Bata no liquidificador o grão de bico, o azeite, os dentes de alho, o tahine e o suco de limão até obter uma pasta homogênea.
Regue com azeite e decore um folha de hortelã.

Validade: três a cinco dias na geladeira.
Receita da Mundo Verde

MANTEIGA DE CASTANHAS

Ingredientes
200 gramas de amêndoas, avelãs ou nozes.

Modo de fazer
Levar as oleaginosas sem casca ao forno aquecido a 200 graus, por cinco a dez minutos.
As avelãs a pele quando tostada, portanto, esfregue-as num guardanapo de pano até soltarem as cascas por completo.
Esperar esfriar. Leve ao processador por três a cinco minutos, até formar uma pasta. Dura até três meses na geladeira.

Variação para a manteiga de amêndoas ou nozes: acrescente uma pitada de sal, uma colher de chá de canela em pó e uma colher de sobremesa cheia de xarope de agave, açúcar mascavo ou mel. Experimente em um sanduíche com maçãs e queijo brie ou queijo gouda.

Variação para a manteiga de avelãs: adicione uma a duas colheres de sopa de cacau em pó, uma colher de chá cheia de extrato de baunilha, uma a duas colheres de sopa de xarope de agave e uma pitada de sal.

Validade: até 60 dias na geladeira.
Receita da Natália Colombo

Fontes:
http://www.falecomanutricionista.com.br
http://noticias.uol.com.br


Gostou? Veja mais na página do Cozinha Incomum no Facebook!

Conheça também nossa nova parceiria: o Cozinheiro Em Sua Casa!

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Cozinhar com Manteiga ou Margarina?

Na hora de preparar um risoto, estourar pipocas ou fazer um bolo, quem já não se perguntou se é possível usar margarina no lugar da manteiga ou manteiga no lugar da margarina? A resposta não é unânime nem entre os chefs de cozinha, mas algumas características desses alimentos nos ajudam a fazer a melhor escolha de acordo com a receita.


Primeiro, é preciso destacar uma diferença importante, relacionada ao que os chefs chamam de ponto de fumaça, ou seja, a capacidade dos ingredientes manterem suas características quando submetidos a altas temperaturas. Como tem origem animal, a manteiga pode ser aquecida a temperaturas maiores do que a margarina, sem queimar. Assim, se quiser utilizar uma delas para fazer fritura, prefira  a manteiga.

Já a margarina é a melhor opção para as receitas de confeitaria e massas também devido a sua composição. De acordo com o chef Jorge da Hora, os óleos vegetais garantem mais sustentação e a firmeza necessária para este tipo de receita. Luiz Faria, chef da Bunge do Brasil e especialista em doces, ressalta que por ser cremosa a margarina facilita a aeração de massas, bolos e pães.

Pode parecer apenas um detalhe, mas usar a margarina em temperatura ambiente quando a indicação é que ela seja incorporada à receita gelada pode fazer tudo desandar. "Se vai fazer um biscoito, por exemplo, deixe a margarina na geladeira por 40 minutos ou uma hora para que ela possa ter uma consistência maior, porque durante o processo de aeração você acaba aquecendo-a. Se ela está em temperatura ambiente, pode dificultar a aeração. Se você gela a margarina, com certeza o resultado será melhor", ensina o chef Luiz Faria.

Ele explica que a margarina em temperatura ambiente pode ser muitas vezes a responsável por bolos pesados e "embatumados". "Se ela está um pouco gelada, ela aquece com o batimento, mas absorve oxigênio e fica leve. Se a margarina está em temperatura ambiente e ainda aquece com o batimento você corre o risco dela crescer rápido, mas perder volume", explica o chef.

Luiz Faria é partidário da ideia de que é possível substituir normalmente a manteiga por margarina. Jorge da Hora não diz o contrário, mas ressalta que a margarina não apresenta o mesmo sabor, aroma e cremosidade proporcionados à receita pela manteiga. 

O segredo para usar margarina e manteiga em temperaturas elevadas é evitar choques térmicos e fazer o aquecimento da maneira mais suave possível. O chef Jorge da Hora afirma que o ideal é colocar tanto uma quanto a outra na panela ainda fria. Quando se coloca a margarina ou manteiga na panela já quente acontece o choque térmico, que faz com que a porção do ingrediente não derreta de forma uniforme e ainda perca características rapidamente. A margarina, que não suporta temperaturas muito altas, já vai ficar queimada nesse caso.

Jorge da Hora explica que não é preciso esperar que a margarina ou manteiga ferva na panela para acrescentar outros ingredientes, basta que elas estejam aquecidas. Quando começa a borbulhar, ambas passam a perder algumas características. Na margarina, é a água que começa a evaporar e na manteiga são os resíduos lácteos.

Se a intenção é apenas derreter a manteiga ou margarina para misturar com outros ingredientes que vão gerar uma massa, por exemplo, o processo mais indicado é usar a técnica de banho-maria, que proporciona um derretimento uniforme e suave.

Fonte do texto: http://www.bbel.com.br

Gostou? Veja mais na página do Cozinha Incomum no Facebook!

Conheça também nossa nova parceiria: o Cozinheiro Em Sua Casa!



quinta-feira, 23 de maio de 2013

Onion Rings de Forno!


Você gosta de onion rings? E se eles fosse feitos no forno?
Então olha que receita especial:


Pré-aqueça o forno a 180°C

Com a ajuda de um liquidificador, triture 4 xícaras (200 gramas) de batatas e frite-as. Depois, esmaque os pedacinhos com a ajuda de um socador.
Reserve!

Faça uma farinha com:
- 1/4 xícara (35 gramas) de farinha
- 1/4 colher de chá de pimenta do reino
- 1/4 colher de chá de pimenta vermelha
-1/2 colher de chá de sal em uma tigela grande
Reserve!

No liquidificador, faça um creme com:
- 2 ovos
- 1 copo (250ml) de iogurte natural
- 1/2 xícara (70 gramas) mais 2 colheres de sopa de farinha.
Bata até ficar homogêneo e reserve também.

Até aí, você terá três tigelas diferentes, onde você irá passar os anéis de cebola.

Mas antes, descasque 2 cebolas grandes e corte-as em anés de 1 cm.
Cubra uma assadeira com papel vegetal e regue com 3 colheres de sopa de óleo vegetal. Depois, coloque-o no forno quente por 8 minutos - ou até que o óleo comece a soltar uma fumacinha. Retire do forno e prepare para colocar os anéis.

Mergulhe os anéis de cebola na mistura de farinha e depois no creme. Retire o excesso e passe os anéis na batata frita triturada.
Coloque os anéis na assadeira e leve ao forno quente por 8 minutos, em seguida, vire os aneis e deixe assar por mais 8 minutos.
Polvilhe com sal, enquanto os anéis ainda estão quentes e sirva com seu molho preferido.

Bom apetite!

Gostou? Visite a página do Cozinha Incomum no Facebook
para mais novidades!

Conheça também o Cozinheiro Em Sua Casa!

Fonte da foto e receita: http://lovecookeat.com/

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Bolo na Boca do Fogão!

Bolo na boca do fogão: você já fez?

Essa receitinha incomum foi enviada pra gente pela fã Carla Ferreira!
Ela aprendeu a fazer bolo sem ter que usar forno e deu super certo!



A receita é simples:

1 - prepare a massa de bolo que você mais gostar;
2 - coloque numa forma redonda e pequena, que caiba dentro de uma panela maior (como se faz em cozimento por banho-maria);
3 - encha essa panela maior com um pouco de água, mas não muita, para não correr o risco de vazar quando a forma do bolo estiverr dentro;
4 - coloque a forma dentro e leve ao fogo baixo, tampe e aguarde 30 minutos ou até o bolo ficar pronto!

Segundo Carla, o sabor fica idêntico ao bolo de forno, só que mais branquinho. Ou seja, se vc ainda for colocar uma calda por cima, não fará diferença alguma.
Se quiser dar uma dourada nele ao final, aí sim você terá que levar ao forno depois de pronto, mas só por 5 minutinhos em forno pré-aquecido a cerca de 250°.

E então, quem vai querer testar também?

Veja mais na página do Cozinha Incomum no Facebook!

E o Cozinheiro Em Sua Casa? Você já conhece?

terça-feira, 21 de maio de 2013

Bombons de Bolo de Chocolate com Cereja!


Olha que bombom delicioso e fácil de fazer:



Na receita original, a massinha foi feita com massa de bolo de chocolate pronta, triturada e misturada com um pouquinho de creme de leite até dar a consistência macia, mas ainda com a liga necessária para modelar a bolinha em volta da cereja.
A calda de chocolate é simplesmente chocolate derretido.

A dica que eu daria para facilitar o seu trabalho seria deixar as bolinhas modeladas por duas horas na geladeira antes de serem mergulhadas no chocolate derretido.
Com elas geladinhas, o chocolate derretido vai endurecer em alguns segundos, ainda na sua mão.
Fazendo assim, não vai ter aquele defeitinho embaixo da bolinha, como se ela tivesse secado em uma base lisa. Qualquer dúvida, deixe um comentário!

Gostou? Veja mais na página do Cozinha Incomum no Facebook!

Você já conheceu o Cozinheiro Em Sua Casa? É a nossa nova parceria! Confira!

Foto e receita originárias de: http://lovecookeat.com/

segunda-feira, 20 de maio de 2013

O Mercado - Feira Gastronômica do Rio de Janeiro

No último domingo, o Cozinha Incomum e o Cozinheiro Em Sua Casa foram ao mercado. Mas não era qualquer mercado, era O Mercado – Feira Gastronômica do Rio de Janeiro, evento que faz muito sucesso em São Paulo, trazido ao Rio de Janeiro pelos chefs Henrique Fogaça e Checho Gonzales.

O Mercado
Quebrando os paradigmas de que alta gastronomia está muito distante do grande público, traz à rua versões de pratos dos restaurantes mais renomados do Rio de Janeiro.

Stand do Sal Gastronomia e Cão Veio
O evento ocorreu no Circo Voador, na Lapa, Centro do Rio. A entrada era franca e os valores dos pratos variavam entre R$ 5,00 e R$ 15,00. A diversidade de pratos era grande e provavelmente atendia ao paladar do público alvo do evento. Para mim, que sou cozinheiro profissional, não teve muita novidade. 

De início, já reparei em alguns problemas: cheguei ao meio dia (horário marcado par ao início do evento) e a fila contornava o quarteirão. Depois de exatas duas horas (!), eu consegui entrar. 

As filas para o caixa eram tão longas que eles tiveram que colocar “bilheteiros” espalhados pelo evento para atender a todos que entravam. Logo o evento ficou tão cheio que mal havia se locomover entre os estandes dos restaurantes. Acredito que os idealizadores não imaginavam a repercussão que teria o evento.

Stand do Aconchego Carioca
Por outro lado, o atendimento nos estandes foi excelente! Todos muito receptivos e as apresentações eram de primeira. Não foi difícil ser atendido, os pedidos eram rápidos e o pagamento era feito em fichas compradas previamente no caixa (não tinha manuseio de dinheiro).

Minha degustação começou pelo Baião de Dois do Aconchego Carioca, mas apenas porque vi que era servido numa marmitinha embalado numa trouxa... uma apresentação muito criativa. O Queijo Coalho e o torresmo estavam excelentes, mas estava longe de ser o melhor Baião de Dois que comi. Muito apimentado, um pouco seco e pareceu feito às pressas.

Stand do Aprazível
Meu segundo prato foi o Retumbão do Aprazível. Era um cuscuz de tapioca com camarão, camarão seco, castanhas do Pará e coco ralado, acompanhados por calda de açaí e biju de tapioca. A mistura de sabores e texturas combinaram perfeitamente, a calda complementou com um agridoce único. Só teria sido melhor se não tivessem servido gelado e o biju usado como tortilha.
Brigadeiro de Granna Padano

Depois, paramos para beliscar o Brigadeiro de Granna Padano do Quadrucci. Infelizmente essa sobremesa não atendeu as minhas expectativas. Apesar de gostoso, o sabor refinado e delicado do Granna Padano ficou um pouco apagado. 
Sanduíche de cupim
Logo em seguida provei o sanduíche de Cupim Desfiado com Chipolle de Maracujá e Pão de Batata do Chef Henrique Fogaça, do restaurante Sal Gastronomia e Cão Véio. A atração principal desse sanduíche foi o molho chipotle, que se colocava por cima, mas a carne estava um pouco gordurosa e poderia ser perfeitamente substituída por uma carne assada bem cozida e temperada.

Nhoque de funghi
E para fechar com chave de ouro, saboreei o nhoque de funghi, com molho de cogumelos e vegetais, do Aprazível. Só posso dizer que foi o melhor Nhoquei que já comi até hoje! Bati palmas para a massa de funghi e o delicioso molho de cogumelo e legumes. Simplesmente perfeito. 

No final, as sobremesas foram um pouco decepcionantes, não vi nada muito original. A única que me chamou a atenção foram os pavês do Portal do Sabor, mas todos já haviam acabado (ainda eram quatro da tarde e o evento se propôs a ir até às 20h).



Winnie (Cozinha Incomum) e Nicollas (Cozinheiro em sua Casa) com o Chef Gonzales
Na contagem geral, foi um bom evento, deixando a desejar principalmente na parte logística e variedade de cardápios.

Nicollas Forte - O Cozinheiro Em Sua Casa levando a você as novidades e eventos gastronômicos. 

domingo, 19 de maio de 2013

Você Sabe a Diferença entre Quiche e Empadão?

Se você já pediu uma quiche e achou que era um empadão sem a massa em cima, provavelmente o que te serviram não era uma quiche! 
Existe uma diferença gritante entre quiche e empadão, mas muitos restaurantes e lanchonetes misturam as receitas na hora de fazer um desses quitutes e acabam confundindo o próprio cliente.

Vou listar aqui as principais diferenças:
1º) O empadão é uma receita de origem portuguesa e tornou-se muito famosa na culinária brasileira; enquanto a quiche, embora de originem Alemã, torno-se muito popular e tradicional na França.
2º) A massa do empadão é feita com farinha de trigo e manteiga; a massa da quiche é parecida, porém, além de farinha de trigo e manteiga, também leva ovo, para que fique mais firme e não esfarele depois de pronta.
3º) Ainda falando sobre a massa, a do empadão é mais grossa e só ela levada ao forno quando o empadão já está todo montado, recheado e coberto; a massa da quiche não. Esta tem que ser bem firme, fininha e deve assar ao forno antes de se colocar o recheio.
4º) Passando para o recheio, o do empadão é bem simples: o tradicional leva, basicamente, frango desfiado e alguns legumes e ervas picados; o recheio da quiche leva obrigatoriamente leite e ovos (batizado na França como quiche Lorraine). A receita original é feita com bacon, mas assim como o empadão, hoje vemos diversos sabores de quiche. 
5º) De forma geral, o empadão é mais pesado, esfarelento e seco; A quiche é exatamente o contrário: leve, macia, fina e embora não seja cremosa, também não é seca como o empadão.

Vou colocar aqui duas receitas tradicionais, uma de empadão e uma de quiche, para que você nunca mais tenha dúvida da diferença entre eles

EMPADÃO TRADICIONAL DE FRANGO:



Ingredientes para a massa:
1 kg de farinha de trigo (penerada)
500 gr de manteiga (preferência qually)
2 ovos (para pincelar)

Ingredientes para o recheio:
1 kg de frango cozido e desfiado
Azeitona
Milho
Ervilha
Coentro
Catupiry (caso prefira um empadão menos seco)
Sal a gosto

Modo de preparo:

Em uma tigela coloque a farinha de trigo, em seguida coloque a manteiga e misture com as mãos, até a massa ficar homogênea e quebradiça.
Em seguida divida a massa em duas partes a primeira forre o fundo do tabuleiro e as laterais, coloque o recheio de sua preferência, e em seguida cubra com a outra parte, pincele com as gemas e leve ao forno aproximadamente 30 a 40 minutos ou até dourar


QUICHE LORRAINE TRADICIONAL --- ATUALIZADA!


Ingredientes para a massa: 

250 g de farinha de trigo
125 g de manteiga
1 ovo
1 colher (chá) de água
sal a gosto
manteiga e farinha de trigo para untar e enfarinhar

Modo de preparo da massa:
Numa tigela, adicione todos os ingredientes e misture bem com as mãos até obter uma massa homogênea. Modele uma bola com a massa.
Embrulhe a massa em filme e leve à geladeira por 10 minutos.
Numa superfície lisa e enfarinhada, abra a massa com o auxílio de um rolo.
Em seguida, unte e enfarinhe uma fôrma de 20 cm de diâmetro. Forre o fundo e as laterais da fôrma com a massa.

Ingredientes para o recheio:
1 xícara (chá) de leite
1 xícara (chá) de creme de leite fresco
4 ovos
80 g de bacon em cubinhos
80 g de queijo gruyère
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo do recheio:
Preaqueça o forno a 180°C (temperatura média).
Numa tigela, junte os ovos, o leite e o creme de leite e bata com um fouet (batedor de arame) até ficar homogêneo.
Tempere com sal e pimenta a gosto.
Numa panela, de preferência antiaderente, leve o bacon em cubinhos ao fogo médio por 3 minutos.
Retire do fogo, escorra a gordura e reserve.
Rale o queijo gruyère em ralo grosso. Reserve.
Cubra a massa com o queijo gruyère ralado, o bacon e o creme de ovos, separadamente, seguindo esta ordem.
Leve ao forno para assar por 30 minutos, ou até que a superfície fique dourada.

Retire do forno e sirva a seguir.

Obs. A receita original de Quiche Lorraine não leva queijo no recheio, mas acho que é uma regrinha que vale a pena quebrar. Algumas variações envolvem a adição de queijo Gruyére (Quiche au Gruyére) ou até mesmo de cebola picada (Quiche Alsacienne). É uma receita versátil e saborosa. 

Gostou? Veja mais através da página do Cozinha Incomum no Facebook!
Não deixe de conhecer também a página do Cozinheiro Em Sua Casa!

sábado, 11 de maio de 2013

Eu testei e... - Ovos Fritos no Pimentão

Essa eu vou considerar como sendo a receita de ovo mais gostosa que eu já testei!... Tudo começou quando vi aí pela internet essa imagem: 



Me pareceu algo simples, fácil e diferente! Não precisa de muito mais além de ovos e pimentão.. mas será que dá certo? Será que o ovo não vai grudar na frigideira? Será que o pimentão não vai queimar?
Vamos ao teste?

Bom, para ter certeza de que o ovo não iria grudar e estragar a receita, eu usei uma frigideira anti aderente ainda ainde untei ela com um pouco de manteira.
Cortei uma fatia de pepino de um pouco mais de um dedo de largura e quebrei o ovo dentro.
Aproveitei para temperar com sal e pimenta do reino, para dar um gostinho especial no ovo.
Minha grande preocupação era o ovo vazar por baixo do pimentão, pois isso sempre acontecia quando eu tentava fritar ovos dentro de forminhas de metal e era um desastre. 
Com o pimentão, isso também aconteceu, mas foi muito pouco, como vocês podem ver na imagem ao lado. 
Nada que afetasse a receita com um todo.

Bom, continuando, eu tampei a panela, para que ajudasse no cozimento do ovo e para não correr o risco de queimar o pimentão.
Tirei os ovos quando eles ainda não estavam completamente cozidos e ficou uma beleza!!
Nem os ovos nem as fatias de pimentão grudaram na frigideira, deu para tirar o ovo inteirinho, já que por baixo ele ficou bem cozido e o pimentão soltou um odor expetacular na cozinha.


Como percebi que o pimentão não chegou nem perto de queimar, resolvi testar a receita de novo, mas dessa vez deixando os ovos bem cozidinhos, para aqueles que não são muito fãs de ovos mal passados saberem se podem fazer essa receita também.
E o segundo resultado foi tão positivo quanto o primeiro! O pimentões não queimaram e os ovos ficaram bem cozidos!

A única ressalva que eu faço quando a essa receita é que, embora o pimentão tenah dado um sabor muito especial no ovo, ele, infelizmente, ficou bem cru ainda e eu não consegui comê-lo.
Minha sugestão, então, seria refogar o pimentão, cuidadosamente para ele não quebrar, antes de colocar o ovo nele para fritar. Assim, vc conseguiria aproveitar o melhor dos deis mundos.

Conclusão:

Nível de dificuldade: fácil, fácil!
Tempo: 5 minutos a mais do que você levaria para fritar um ovo da forma comum.

Quer ver outros testes? Siga o nosso Blog!
Visite também a página do Cozinha Incomum no Facebook para ver mais novidades!
Bom apetite!

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Eu testei e... - Canudos Para Limpar Morangos

Vi na internet um jeito aparentemente simples de limpar (ou tirar os talos) o morango. É esse aqui:


Então resolvi testar!
Lembrando que esses testes, eu faço para saber se as dicas que foram dadas podem ser feitas por qualquer dona de casa, com equipamentos fáceis de ser encontrados, ok?


Bom, fui até o mercado e comprei uma caixa de morangos e um pacote de canudos.
Como estava bem na alta temporada dos morangos, a caixa veio com uns morangos grandes e no ponto certo de amadurecimento (nem verdes, nem muito maduros). Ótimos para tentar tirar os talos deles!

Lodo de cara reparei que os canudos eram um pouco pequenos para conseguir tirar os talos dos morangos maiores. Quando eu enfiava o canudo, ele só tirava uma parte do talo, ou as vezes nem tirava nada.. me fazendo ter que manualmente o restante do talo de cada um.
Com os morangos pequenos até funcionava bem, mas com os morangos grandes, nem chegava perto!


Resolvi então voltar no mercado e comprar canudos maiores... 
Chegando lá, descobri que ou só tinha canudos muito largos, daqueles de tomar milkshake, ou só tinha os comuns, que eu já tinha comprado. 
Achei que aqueles de tomar milkshake eram grandes demais e acabariam tirando metade a polpa dos meus morangos, ou seja, definitivamente, não serviriam para os morangos pequenos...

Como o mercado ficava ao lado de uma loja da Starbuks, passei lá e surrupiei um canudo médio deles (acho que eles não iriam se importar, já eu sou uma consumidora bem assídua da Starbucks, rs).
Esse canudo médio serviu melhor nos morangos grandes, mas ainda não era completamente satisfatório... enfim, não era tão fácil quanto a imagem inicial sugeria.
Além disso, tinha um probleminho técnico: quando eu tentava com os morango que ainda não estavam muito maduros, o canudo amassa e eu perde ele completamente... vou ter que pensar em outro jeito para aqueles morangos meio verdinhos... 

Conclusão, vou dar uma aprovação média para essa dica de cozinha, eis o porquê:
- Tirar os talos dos morangos não é tão fácil como foi sugerido. Você vai precisar ter em casa dois tamanhos diferentes de canudos: um pequeno, para os morangos pequenos e um grande para os morangos grandes (não dá para usar o canudo grande nos morangos pequenos porque vai levar metade da polpa deles).
- Nível de dificuldade: fácil, embora bem chatinho.
- Tempo: menos de um minutinho para cada morango.

Quer ver outros testes? Siga o nosso Blog!
Visite também a página do Cozinha Incomum no Facebook para ver mais novidades!

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Cebola: principais tipos e seus sabores


Postagem e imagens retiradas do site Diário de Cozinha

"Cebola é algo que todo mundo usa; muita gente diz odiar mas o fato é que ela está presente em muitos pratos e é um ingrediente indispensável na cozinha.
O problema é que acho que não prestamos a devida atenção a este ingrediente, não vejo a pessoas escolhendo o tipo de cebola certa para a sua receita; com certeza é por que não sabem suas diferenças e sutilezas! Pode parecer bobagem, mas a cebola, quando usada com conhecimento, muda todo o sabor do seu prato.

Cebola Pêra


Esta é a cebola que o brasileiro definitivamente mais conhece e usa! Pode se encontar como cerbola amarela; normalmente é uma cebola maior, de polpa de sabor mais intenso e ácido, por este motivo, é boa quando refogada. Algumas pessoas a utilizam crua em salada, porém ela não tem um sabor delicado como as outras para se comer crua.

Cebola Branca


De diversos formatos, sua característica principal é sua casca bem branca, também tem um sabor bem forte e é melhor quando usada para se cozinhar, a não ser que você queira este sabor intenso.
Na minha opnião se for para consumir entre a pêra ou a branca crua, eu fico com a branca!

Cebola Pérola



É aquela cebola pequena que conhecemos para usar em conservas (existe ainda uma cebola camada de conserva, que tem um tamanho ainda menor que esta). Também pode se encontrá las como cebola bebê. Têm um sabor mais delicado e doce, são ótimas como guarnição; doure e sirva junto a uma carne.

Chalotas


Esta, minha preferida, tem um sabor incrível, bem diferente das outras, muito mais adocicada, com baixissíma acidez. Ela tem seu corpo mais alongado do que a pérola e no Brasil é dificílimo encontrar. Quando encontradas, normalmente seu preço é bem salgado! São ótimas para pratos delicados e sofisticados.

Cebola Roxa



Essa de sabor bem adocicado, é para mim a melhor para se comer crua. Tente fazer um vinagrete com ela e veja como o sabor vai ser muito mais delicado. Tem uma coloração característica e quando caramelizada, fica ainda mais doce.
Ontem, preparei hamburgueres na brasa e para acompanhar meu pão, caramelizei elas no shoyu e manteiga. Ficaram espetaculares!


A escolha

Uma coisa importante é como escolher sua cebola na hora da compra. Opte sempre por cebolas que não estejam machucadas e com sua casca com um brilho mais vibrante. Outra característica importante para ajudar na escolha é sempre optar por cebolas mais uniformes; ajuda bastante na hora de cortá las e tem também seus sabores melhor distribuídos.

Bom estes são os tipos principais de cebolas; espero que com este post, vocês possam aproveitar melhor este ingrediente tão especial da cozinha."

domingo, 5 de maio de 2013

Pastel de Jacaré da Ilha!


Ontem eu fui convidada a experimentar o famoso pastel de jacaré da Ilha do Governador, no Rio de Janeiro.
O local, chamado Pastel Mania, é um bar que, para quem não é da Ilha, não dá nada ao passar por ele.
Entretanto à noite, depois que o comércio fecha, principalmente às sextas-feiras, é um dos principais points do bairro!
Há cerca de 15 sabores diferentes de pastel, todos fritos na hora. A massa é bem crocante, sequinha e muuuito bem recheada. Tive a oportunidade de experimentar os pasteis de bacalhau, siri, carne seca e claro, a estrela, o de jacaré!

E como é a carne de jacaré?
Bom, a textura da carne de jacaré é parecida com a de um peito de frango bem macio e muito bem desfiado. É tão bem desfiado, que parece com bacalhau.
O sabor é bem suave, quase como o frango e, talvez por isso, a carne estava muito bem temperada. Achei que o grande diferencial estava num gostinho, ao fundo, de frutos do mar frescos, parecido com o que se sente quando se come uma caldeirada ou mexilhões cozidos.
Embora a carne não tivesse nenhum sabor extraordinário, os pasteis de lá são tão bons, que este era só mais uma das delícias!

Procurei outras informações sobre o Pastel Mania e descobri, através do site SRZD, que o dono, o Sr. Luíz Peres, inaugurou o bar há 13 anos.
Ele é um senhor muito simpático, disposto e adora conversar. Disse que chega a vender de 70 a 100kg de carne de jacaré por semana, que equivalem a  1.200 a 1.400 pastéis!


O quilo da carne de jacaré chega a custar
R$ 36,00 o kg para ele, mas que vale muito a pena, tendo em vista que esse é o chamariz da casa (pessoas saem de longe somente para experimentar essa iguaria)!

Cada pastel custa entre R$ 3.00 e R$3.50.

Se vocês quiserem experimentar, aí vai a dica:



Lanchonete Pastel Mania
Av.Paranapuã,1361 - Tauá - Ilha do Governador/RJ
Tel: (21) 3363-5323 - (21)7114-0432

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Picolé Light de Yogurte com Frutas


Vamos fazer picolé de yogurte com frutas beeem light??

O que você precisa:

- 5 potes de iogurte natural
- frutas picadas diversas
- adoçante ou mel (a gosto)
- palitos e formas de picolés

Agora é só colocar a mão na massa:

- Comece batendo o iogurte com mel ou adoçante e reserve;
- Coloque as frutas nas formas de picolé e complete com o iogurte batido. Enfie o palito de forma que ele fique no centro e no meio da forma;
- Leve ao congelador por 12 horas;
- Desenforme e delicie-se sem culpa!!

Se você não se importar com um receita um pouco menos light e quiser deixar o seu picolé um pouco mais cremoso, adicione creme de leite ao yogurte e bom apetite!!

Gostou? Visite a página do Cozinha Incomum no Facebook!!

Outras postagens que você pode gostar:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...